Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

Os 3ºs Filhos da Madrugada

13.04.24
Há 50 anos, vivia-se uma atmosfera nova, a folha estava limpa, o relógio começou a contar noutra cadência — metáforas para dizer o que Sophia de Mello Breyner disse no poema “Revolução”. Chama-lhe: “tempo novo sem mancha nem vício”. N’ Os (...)

Tiago Fortuna - Os Filhos da Madrugada

13.04.24
Comecemos pelo vocabulário. As pessoas têm uma deficiência e, antes dessa característica, são sempre pessoas. Não portam nem sofrem uma deficiência ou limitação: têm uma característica. É aconselhável, por isso, usar a expressão: pessoa com deficiência, e (...)

Cristèle Alves Meira - Os Filhos da Madrugada

11.04.24
A criança pergunta: para onde vamos quando morremos? No filme de Cristèle Alves Meira, é ela que cumpre o ritual de passagem entre a vida e a morte, o que permite ao morto descansar em paz. A morte e luto estão no cerne do filme Alma Viva, a primeira longa metragem (...)

João Rodrigues - Os Filhos da Madrugada

11.04.24
Há quem lhe chame o chef mais consensual do país. Seguramente é um dos melhores e mais premiados. João Rodrigues nasceu em 1977, cresceu em Lisboa. Ao fim de semana ia com a mãe, médica, ao mercado 31 de Janeiro. Com o pai, que cozinhava todos os dias, experimentava (...)

Cátia Oliveira / A Garota Não - Os Filhos da Madrugada

10.04.24
As suas canções falam de um quotidiano banal, de mulheres batidas, da periferia, pobre e vulnerável, da habitação, fractura exposta, do prédio como amostra multicultural. Os sons que sintetizam alguns encontros improváveis: kizomba, música brasileira, Gipsy Kings, (...)

Maria do Rosário e Joana Carneiro - Os Filhos da Madrugada

09.04.24
As refeições à mesa eram uma Babilónia. Quando ele foi ministro, tinham tão pouco dinheiro que compravam pão a crédito. Casaram em 1973, tiveram nove filhos, são católicos. Nas famílias de Maria do Rosário e de Roberto Carneiro o piano era uma peça central. A (...)

Ana Bárbara Pedrosa - Os Filhos da Madrugada

08.04.24
No doutoramento, Ana Bárbara Pedrosa estudou "Escritoras portuguesas e Estado Novo: as obras que a ditadura tentou apagar da vida pública". Podíamos dedicar esta emissão d’ Os Filhos da Madrugada a este tema tão político e problemático. Mas há outros tópicos que, (...)