Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

Dolores Aveiro

15.06.18
Dolores Aveiro é a mãe de Cristiano Ronaldo, como toda a gente sabe. Tem uma história de pessoa humilíssima que sonhou o sonho de ser feliz. O discurso oscila entre o pungente e o cru. De uma violência de que parece não se dar conta ou, simplesmente, com que aprendeu (...)

Eduardo Souto de Moura

10.06.18
Eduardo Souto de Moura ganhou (quase) todos os prémios que havia para ganhar. O mais prestigiado de todos é uma espécie de Nobel e chama-se Pritzker. Foi em 2011. É um arquitecto muito culto e engraçado que pensa a desenhar. Tem atelier num bairro popular no Porto. (...)

Ana Margarida de Carvalho

04.06.18
Ana Margarida de Carvalho, licenciada em Direito, jornalista, escritora. O seu livro “Que Importa a Fúria do Mar” foi finalista em vários prémios, tendo vencido o Grande Prémio de Romance APE, em 2014.   “Carta a Meus Filhos sobre os Fuzilamentos de Goya”, de (...)

Maria de Sousa e Sobrinho Simões (s/ Cancro)

29.05.18
A má notícia: um em cada três portugueses nascidos na última década terá cancro. A boa notícia: mais de metade dos doentes com cancro vai sobreviver à doença. Nas próximas páginas, a cientista Maria de Sousa e o patologista Manuel Sobrinho Simões fazem (...)

António Arnaut

21.05.18
António Arnaut cita o amigo Miguel Torga: “A liberdade é uma penosa conquista da solidão” para dizer que às vezes se sente sozinho. “Mas sou livre. Posso dizer o que entendo.” Descreve, então, com toda a liberdade, a descaracterização que esquerda e direita (...)

Uma Nêspera no Cu

19.05.18
Pertence ao grupo de um milhão e duzentas mil pessoas que ouviram Uma Nêspera no Cu? Se sim, sabe que o podcast de Bruno Nogueira, Filipe Melo e Nuno Markl é um exercício de liberdade a que também se pode chamar uma grande maluqueira. Se não, é melhor saber desde já (...)

"Se Isto é um Homem"

14.05.18
Falamos de desumanidade?, inumanidade? De que falamos quando falamos dos campos de concentração e extermínio e da Segunda Guerra? Auschwitz foi libertado a 27 de Janeiro de 1945. Primo Levi viu uma brecha nessa madrugada que lhe permitiu pensar no regresso a casa. No livro